quarta-feira, 9 de junho de 2010

Calor noturno...


Uma noite enquanto dormia, tranquilamente, entraste no meu sonho sem pedir licença, sem autorização alguma, invadiste a minha mente durante o meu sono tranquilo. Dormia tranquilamente, enquanto te sentia aproximar de mim pelas costas, sentia o teu calor no meu pescoço enquanto sentia a tua respiração tocar me de leve, senti as tuas mãos no meu peito nu, estávamos nus, e sentia o teu calor no meu corpo quente, sentia me desfalecer no teu abraço forte e escaldante. Derretia me como manteiga ao teu toque, a tua boca beijava me a pele com perícia, como se soubesses onde tocar, onde estava cada nervo que me fazia estremecer, fazias me gemer de prazer enquanto me sugavas os mamilos e acariciavas o meu corpo nu, as tuas mãos ora me apalpavam o rabo, ora estavam entre as minhas pernas, gemia e vibrava debaixo do teu toque, gemia e gemia cada vez mais, procurava o teu corpo, mas não encontrava, so sentia o teu toque quente na minha pele, queimava onde quer que tocasse, gemia de frustração e desejo, mantinhas o ritmo de beijos perdidos, e as tuas mãos perdiam se no meu corpo. Desejava cada vez mais tocar te e não te encontrava, apenas sentia te a tocar me como se apenas tivesses ali para mim, somente o teu toque deixa me a tremer. As tuas mãos tocavam me onde eu queria que toca se, ora tocavam e apertavam o meu peito, ora sentia os teus dedos na minha carne entre as pernas, estava completamente perdida no teu toque, cada vez mais extasiada e perdida nos teus beijos, na tua língua, queria mais e mais… desesperadamente contorcia me nos lençóis, sem noção do que acontecia apenas sentindo as tuas mãos, os teus beijos na minha pele, senti a tua língua brincar com o meu clítoris e as tuas mãos a prender os movimentos das minhas pernas, completamente perdida com o teu toque, deixei me levar… queria mais, mas as tuas mãos prendia me os movimentos e como se soubesses o que queria, começas te a acariciar o meu rabo e mal senti o teu dedo a forçar a entrada gemi, pressionei o meu corpo contra o teu dedo, já cega de desejo não senti a dor, apenas o prazer que me dava…. Tonta de desejo e com a garganta seca, senti o teu corpo contra o meu, senti os teus lábios com o meu sabor, e beijei te lambi, adorei o meu sabor nos teus lábios, o agridoce…. Completamente atordoada pedi te que me preenchesses, senti o teu dedo abandonar me fiz beicinho pela perda…. Continuas te me a beijar, e a preparar me para te ter dentro de mim, molhavas os dedos dentro de mim e conduzias até a entrada do meu rabo, primeiro um dedo, depois o outro, continuavas a beijar me e a torturar me com os dedos, abris te me as pernas, colocando uma almofada debaixo de mim, penetras me bem fundo. Foste gentil e meigo, não esperava outra coisa, gemíamos, penetravas me devagar e brincavas com o meu clítoris, beijavas e trincavas os mamilos, senti o me orgasmo a quer vir, contorcia me e gemia. Segurei os lençóis e gemi enquanto o orgasmo descia do meu corpo, sentindo o teu também a chegar… acabamos com a respiração ofegante tu em cima do meu peito a dares beijinhos no meu pescoço … ias começar a falar algo “ sabes……”


E acordei sobressaltada, sozinha na minha cama suada e quente…..

Sem comentários:

Enviar um comentário