quinta-feira, 10 de junho de 2010

Sabor do desejo....

Era um daqueles dias que me apetecia fugir da rotina, do stress do dia-a-dia, e entregar me aos teus braços novamente, não sai-as do meu pensamento, das tuas mãos a percorrer o meu corpo, os teus lábios macios a beijar os meus, a tua língua a penetrar a minha boca sem qualquer pudor. Estava ansiosa por te tocar, esperava por ti, a tremer de desejo e ansiedade. Mais uma vez, pontual como sempre chegaste para nos levar ao nosso mundo, aquele que só nos e os nossos corpos entravam… Chegamos ao motel, num tempo recorde, as tuas mãos já perdidas nas minhas pernas, deixavam me completamente sem folgo. O calor que sentia era enorme, sentia as nossas respirações ofegantes. Subimos ao quarto, e mal a porta se fechou, comecei a te despir, e a beijar enquanto desabotoava a tua camisa, precisava de sentir a tua pele, o mais rápido possível, já não aguentava a ausência do teu toque. O meu corpo já latejava, tinha que te ter novamente… não demorou a ter te sem camisa e já com as respirações completamente ofegantes, sentia as tuas mãos por baixo da minha saia, a tocar nas minha nádegas, derretendo me mais uma vez nas tuas mãos, teria que ter força para não me deixar levar pelo desejo do teu toque. Caso continua-se assim não teria qualquer mão sobre o meu desejo, e precisava sentir o teu sabor… continuas-te a pressionar contra ti… sentia o teu desejo na minha barriga. As tuas mãos não paravam de acariciar o rabo, as costas, a nuca… hummmmmmm, começaste a desabotoar a minha camisa, com perícia, e com audácia, sentia os nos dos teus dedos no meu peito, os mamilos continuavam a protestar por atenção, ainda continuávamos encostados a porta, não aguentado a pressão do meu corpo, comecei a desapertar as tuas calças, já nada me podia deter, nem mesmo a tua língua marota, precisava sentir te na minha boca, queria o teu sabor… comecei a traçar beijos no teu queixo, no teu pescoço, fui descendo, beijando, parei num dos teus mamilos e comecei a beija-lo suavemente, e quando o trinquei gemeste e fizeste me ver que podia estar a magoar, continuei a beijar suavemente ate atenuar a dor, e continuei com os beijos doces pela tua barriga, ajoelhando me a tua frente, olhei te nos olhos, eles obscurecidos pelo desejo, não pensei em mais nada alem de te ter na minha boca, precisava te deixar doido, pelo menos mais… desci as tuas calças, e a tua cueca… mal olhei para a tua tesão humedeci os lábios, comecei por te tocar com a língua, não te queria tocar com as mãos, tinha as mãos geladas, comecei por te lamber as bolinhas, suguei brinquei com a minha língua, a minha boca lambia com furor, sentia o teu caralho teso na minha boca, sentia o perto da minha garganta e sugava cada vez mais, precisava de te saborear, pressionei as minhas mãos nas tuas coxas, senti as tuas mãos no meu cabelo a sujeitar me contra ti, o teu leite escorria na minha garganta sem problemas sugava tudo sem desperdiçar nada, extasiada pelo teu sabor deixei me cair no chão ofegante, escorregaste pela parede, e abraçaste me, os dois ofegantes e ainda com mais desejo… disseste no ouvido… “ vamos para a cama… ainda não acabamos… mal começamos”

Sem comentários:

Enviar um comentário