domingo, 29 de agosto de 2010

Sentir-te em mim......


A oportunidade de estar contigo fugia das mãos, a ansiedade matava-me por dentro, tentando não demonstrar o que sentia, sorria, mas o corpo tremia como varas verdes. Ansiedade, antecipação, desejo, precisava de te sentir novamente, te ter nos meus braços, e saber que podia te tocar, saber que estavas comigo… A vontade de te ter sobre a minha pele, sentir o teu suor no meu corpo, ouvir os teus gemidos e grunhidos.
Quando senti os teus lábios nos meus sabia que era real, sabia que te tinha ao meu lado novamente, mas continuava a tremer…. Não tinha ideia como reagir, o que poderia acontecer, sentia o clítoris a pulsar de desejo e a agonia de te ter nu sobre mim aumentava a cada segundo. A conversa e o café fluíram de tal forma que tudo se tornou natural, mas quando já estávamos no quarto a agonia de não saber que fazer voltou e deixei te conduzir, as minhas emoções estavam mescladas pelo nervosismo, mas o desejo estava a aumentar a cada segundo, o meu corpo respondia aos nossos beijos, ao teu toque, ao teu cheiro ( o teu cheiro deixa-me doida). O teu calor envolvia me em êxtase completo, perdida no desejo, na vontade de te beijar, te lamber, saborear cada bocadinho que me oferecias. Aquecia a cada segundo contigo, o tempo parava sempre que me tocavas. Sentir a tua boca no meu pescoço, a boca a descer ate ao meu mamilo direito, a tua saliva na minha pele, apetecia me gemer e gemer, agarrar te na cabeça e não te deixar parar. Quando pegaste na minha mão e a levas te ate ao teu caralho, a água na minha boca aumentou drasticamente, não havia roupa interior por baixo das tuas calças, e naquele momento a ideia de o saborear e brincar com a língua aumentou e aumentou, ate não aguentar mais. As minhas emoções estavam a ponto de estalar, mas conseguindo evitar as lágrimas, o desejo tomou conta de mim, o teu caralho na minha mão, a suavidade da pele dele, a forma como a cabecinha se molhava, hummm quando senti a tua cabecinha molhada na minha língua estalei em calor, e humidade, a minha cona, encharcou , o clítoris pedia ainda mais atenção, mas iria esperar, precisava te saborear, ao máximo, matar as saudades do teu sabor, da suavidade, dos teus gemidos enquanto te engolia o caralho, o desejo crescia ao te lamber… a te chupar, e ouvir o te gemer ainda mais quente me deixava. As tuas mãos na minha cabeça, as minhas mãos no teu caralho, a minha língua a serpentear pela tua verga… ai… como te adoro sentir na minha boca….
Após algum tempo mais tarde onde o calor e o suor, o desejo e a agonia do prazer já em estado de rebuçado, o teu caralho sondando a entrada do meu rabo, os meus gemidos de necessidade, tentando te pedir quase por favor para me enrabares, mas sem que as palavras saíssem pela agoniante necessidade. Enquanto a cabecinha entrava e o retiravas de mim, a agonia crescia e cresciam…. “Mau…. Estas a ser mau comigo….” Matavas me de agonia, e prazer… o desejo estalava no meu corpo, os mamilos tesos continuavam a pedir atenção, as minhas mãos nos mamilos, o teu olhar faminto a olhar me nos olhos, enquanto me enterravas todo… Uma estacada, outra e outra, o ritmo a aumentar e a aumentar… a necessidade de sentir te vir no meu rabo, continuavas a aumentar e aumentar, “vem-te para mim….” Pedi eu “quero o teu leite em mim….” Senti te estalar dentro do meu cu, o teu leite a explodir em mim… deixando me extasiada pela tua libertação os gemidos do teu orgasmo na minha cabeça….

O peso do teu corpo sobre o meu, as respirações ofegantes, as palavras doces que trocamos, o nosso suor mesclado, o tempo parou…..

domingo, 15 de agosto de 2010

uma noite de Verão...

O ar fresco da rua entrava pela janela, abraçava-me enquanto conversávamos e riamos. Sentia-me bem assim, mas a ideia de ficar novamente sozinha, deixou me a cabeça á toa, acabei por ir fumar a janela, afastar o pensamento de “abandono” porque ainda queria mais e mais de ti… A brisa fresca da noite deixava os meus mamilos arrepiados, a pele ,que outrora estava suada, começava agora a secar. Ainda conseguia sentir o clítoris a protestar por atenção, e eu só conseguia pensar no quanto te queria dentro de mim novamente. Equilibrada no peitoril da janela, via as pessoas passarem, sem terem noção da minha presença, completamente perdidas no seu mundo, e eu completamente perdida em sensações de desejo, ansiedade, respirando sobre o meu pensativo cigarro, tendo a ti no quarto falando e eu respondendo, como se fosse natural. Mal senti as tuas mãos nas minhas ancas sabia que teria algo mais que um simples mimo, friccionando as pernas uma na outra, e a tua perna a separar me as coxas, senti o ar fresco a beijar me o clítoris, tremi ante a ideia de te ter novamente dentro de mim. As pessoas a passar na rua, o cigarro entre os dedos, o teu caralho na entrada da minha cona, falhou o ar nos meus pulmões quando te senti crescer dentro de mim. A excitação de te ter dentro de mim, as pessoas a passarem na rua, eu gemer e esperar que ninguém olhasse, e nos visse, tu enterrado em mim, eu completamente excitada e alterada, evitando gemer, e não ser ouvida, o movimento de dentro fora do teu caralho, as tuas mãos nas minhas ancas a puxar me para ti, aiiiii que tesão, continuas te me a foder, uma e outra vez, eu excitada, quente , as minhas mãos a segurar me no peitoril da janela, os mamilos tesos, hummmmm, estavas perto de te vir, não não te deixaria parar, estava morta de prazer só de te sentir, senti o ritmo aumentar, os teus gemidos afogados e os meus entre os teus, “ Sim vem-te dentro de mim por favor… quero te sentir vir…”. Aumentando o ritmo, a tua respiração parou por segundos, enquanto me apertavas contra ti, e te vinhas dentro de mim, o beijo no centro das minhas costas correu a minha coluna como um choque eléctrico, as pessoas, continuavam a passar, a noite continuava, as estrelas la estavam no céu, e a tua respiração ofegante, aquecia me o pescoço…

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

A suavidade dos teus lábios.



Olhava te nos olhos e sentia me arrepiar, humedecer a cueca de antecipação, humedecias os lábios e tremia por sentir a tua boca na minha. A tua voz suave perguntava me: “Que podemos fazer?” na minha cabeça a resposta era “ Sentir a tua pele suada sobre o meu corpo ,ouvir-te gemer de prazer….”. Mas consegui articular as palavras “hummm tanta coisa…”. Quando senti os teus lábios nos meus, o calor estalou pela minha pele, não tinha o suficiente, não era o suficiente, a tua língua dançava e brincava com a minha, tentei agarrar os teus lábios com os meus, mas conseguiste quebrar o beijo, respirando fundo e gemendo pela perda dos teus lábios, vi-te sorrir… o teu olhar aqueceu-me ainda mais, e o meu clítoris protestou… Entramos no elevador, sabia que a viagem seria rápida, mas os teus lábios nos meus deixaram me doida, o raciocínio parou. Ainda com as mãos a tremer, abri a porta do quarto e todo o tempo parou, tremi quando senti o teu corpo no meu, os beijos fugazes, as tuas mãos no meu corpo, queimava o toque, precisava mais… senti a tua boca nos meus mamilos, perdi a lógica de pensamento nesse mesmo instante, a tua mão procurando a minha, e deixei me guiar por ela ate ao teu caralho, o teu gemido fez o meu corpo manteiga, o teu beijo, o teu caralho duro sobre a palma da minha mão, a agua na boca que tinha fez o resto…

Desci as tuas calças, o teu caralho brilhava, e pedia atenção, queria sentir o teu sabor, a tua suavidade na minha boca. Os teus olhos deram me permissão para o fazer e levei a minha boca ate a cabeça brilhante do teu caralho, o seu sabor fez me lamber mais, sugar e gemi ante a tua resposta surda, sim estavas a gostar…. E o teu caralho pedia mais, a minha boca pedia mais, o meu corpo queria mais, e limitei me a lamber, sugar e chupar, os gemidos de satisfação que saiam da tua boca deixaram me em êxtase e relaxei, sim estavas a gostar. “ Tens lábios de veludo…” disseste tu, uma vez mais arrepiei me e traguei o teu caralho sem medo, apenas desejo, sim desejo acumulado… “foda, lambe me o caralho todo.” As palavras de entusiasmo saiam e eu continuava, as tuas mãos acariciavam me a cabeça, continuando a lamber como se um doce gostoso se trata-se. Estava completamente fascinada, a suavidade, o teu sabor, o desejo… aiiiiiiiii….
Fizeste-me parar e olhaste me nos olhos…. “Quero te foder…. Sim quero te foder….” Rodeaste me e quando me coloquei de 4, não sabia o que me farias, mas quando senti a tua língua no meu rabo, estalei de prazer e surpresa, não não esperava sentir a tua língua dessa forma…. Quando senti o teu caralho a sondar o meu rabo e a minha cona, gemia de antecipação, senti te pressionar a cabecinha sobre o meu rabo, hummmmmmmmm simmmmmm, suave, sim foste suave, a cabeça entrou e eu queria mais… sim mais forte, continuaste suavemente, e eu balancei me para ti, para entrar todo em mim, queria te sentir enterrado em mim, as tuas mãos nas minhas ancas, a pressionar me para ti, “fode…..”Pedi-te eu, o teu gemido fez me humedecer ainda mais, o vai e vem mais rítmico, e mais forte começou hummmmm, gemíamos suávamos, e fodias me… forte, perdi me no meio das sensações que davas ao meu corpo. “Vou me vir…” disseste te me tu…. “Simmmm por favor vem te para mim….” Senti como o teu corpo tremeu sobre o meu…. Procuraste a minha boca e beijaste me tão ternamente ….. que ficaria assim horas…. O teu corpo sobre o meu, tu dentro de mim, os teus lábios nos meus, as respirações ofegantes….



"Necessito de um abraço. Não perguntes, não digas nada... Abraça-me apenas"