segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Desejar pode doer...

O pensamento voava livre, queria estar novamente nos teus braços, necessitava te ter ao meu lado, sentir o teu corpo no meu. Sentia o peito subir e descer cada vez mais rápido, ansiosa por te beijar e te abraçar contra mim. Cheirar a tua pele, saborear o teu sabor, acariciar o teu corpo. A cueca humedecia cada vez mais e mais, as pernas tremiam e ofegava, não via o minuto de te ter novamente só para mim. Relembrar o teu olhar, o teu sorriso malicioso, e a tua voz rouca de prazer. Imaginava me nos teus braços e perder a noção do tempo, tremia cada vez mais… não aguentava mais a distancia do teu corpo era uma tortura. Beijar os teus lábios novamente deixou me ainda pior, tremia de antecipação, o beijo tornou se ainda mais duro e cru, daqueles deficar sem respiração, a tua mão a percorrer o meu corpo, ainda vestido, mas transpirado de desejo e a minha respiração ofegante. Senti o teu caralho duro sobre a minha perna e procurei toca-lo, mas com a tua mão a brincar com o meu clítoris fez me perder as forças. Abracei te e deixei me levar pelo teu toque. Não esperava que o orgasmo chega-se tão rápido, a minha respiração ofegante sobre o teu pescoço e deixei me vir sobre a tua mão… com as pernas a tremer e correndo o risco de cair, deixei me ajoelhar mesmo em frente a ti. Assim teria a oportunidade de tocar te, e lamber-te, colocaste o caralho por fora das calças, e sem pensar, comecei a lambe-lo e suga-lo sem qualquer intenção de parar… pedis-te me para ter calma ou irias acabar por te vir na minha boca. Não, não queria parar, queria te dar o mesmo prazer que me deste… levantas te me, e viras te me de costas para ti, baixaste me as calças e penetras te me, gemia e ofegava cada vez mais…. Paraste e atiras te me sobre a cama, retiras me as calças, o meu corpo tremia de desejo, as tuas mãos queimavam me a pele, sentia me perdida com todo o prazer que sentia cada vez que a tua pele tinha contacto com a minha. Parei de respirar quando senti a tua língua húmida sobre o meu clítoris, gemia enquanto te sentia brincar com a minha cona, sentia me quebrar de tanto prazer, e não demorei a me vir na tua língua. Ainda com as pernas a tremer pelo orgasmo, penetraste-me, queimava e suava, suspirava e gemia, mordia os lábios e apertava a colcha da cama…. As minhas pernas apertavam te sobre o meu corpo e sentia te entrar em mim em cada investida, sentia me cair cada vez que me pressionavas… gemia cada vez mais e mais, os nossos corpos a balançar no mesmo ritmo, a queimar cada vez e mais… explodimos, com os corpos ainda em espasmos, suados e melados, trocamos beijos e olhares, carícias e mimos……

Sem comentários:

Enviar um comentário