segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Desespero e Tortura....

Suspirava pelo teu toque, humedecia a cueca a pensar nas tuas mãos a tocar nos meus mamilos tesos. O dia estava demasiado quente para não pensar em ti dentro de mim, e fazer me suar. O desejo, a tesão, a vontade de te sentir matava me e torturava.

A respiração acelerava a cada batida do coração, a palpitação no meu clítoris deixava doida. Precisava de ti, das tuas mãos, do teu corpo quente sobre o meu, a tua respiração no meu pescoço, a tua voz rouca a falar me ao ouvido, aiiii estava a dar em maluca….
Já não aguentava sentir a cadeira, já tinha fogo no corpo… lentamente e a muito custo fui ate a casa de banho, passei a cara por água, olhei para o espelho, tinha os lábios inchados por os trincar, os olhos abertos de tesão, as bochechas rosadas de desejo, os lábios entre abertos, e a respiração continuava rápida, os mamilos tesos notavam-se na camisola, e as mamas subiam e desciam conforme a respiração ofegante. As mãos tremiam… mas mesmo assim toquei nos mamilos, e ofeguei quando as senti nos mamilos que pediam atenção e belisquei-os, gemi baixinho… a casa de banho estava vazia e a ideia de me fechar num repatriamento era tentadora demais para não o fazer, sem pensar nas consequências, fechei me na casa de banho, encostada a parede, procurei acalmar os mamilos com o toque das mãos, a tortura era demais de aguentar, sentia me excitar cada vez mais e mais, beliscava os mamilos, pensando na tua boca neles, as tuas mãos no nas minhas nádegas a puxar me contra o teu corpo, , tremia de desejo, não aguentado o estado em que estava… procurei o clítoris e encontrei-o dilatado de desejo de toque, completamente molhada, e sem qualquer maneira de aguentar o desejo, comecei por me masturbar ali mesmo, as costas encostadas a parede da casa de banho, uma mão a acariciar o mamilo teso, e a outra bem debaixo do meu vestido, as pernas tremiam, e sentindo o orgasmo tão perto, não aguentava mais…. O orgasmo a chegar, o grito a quer sair da boca, e ouvindo passos no corredor, mordi o lábio para não gemer alto, e tremi dos pés a cabeça. O orgasmo explodiu mesmo nos meus dedos, os mamilos entesaram e bati com a cabeça na parede… Fiquei encostada a parede ate acalmar a respiração…. Sai da casa de banho de sorriso de orelha a orelha, mesmo assim completamente angustiada por não te ter tido dentro de mim…

Sem comentários:

Enviar um comentário